15 de dezembro de 2006

O filho que eu quero ter


É comum a gente sonhar, eu sei,
Quando vem o entardecer
Pois eu também dei de sonhar
Um sonho lindo de morrer.
Vejo um berço e nele eu me debruçar
Com o pranto a me correr.
E assim, chorando, acalentar
O filho que eu quero ter.

Dorme, meu pequenininho,
Dorme que a noite já vem.
Teu pai está muito sozinho
De tanto amor que ele tem.

De repente o vejo se transformar
Num menino igual a mim
Que vem correndo me beijar
Quando eu chegar lá de onde eu vim.
Um menino sempre a me perguntar
Um por quê que não tem fim.
Um filho a quem só queira bem
E a quem só diga que sim.

Dorme, menino levado,
Dorme que a vida já vem.
Teu pai está muito cansado
De tanta dor que ele tem.

Quando a vida, enfim, me quiser levar
Pelo tanto que me deu,
Sentir-lhe a barba me roçar
No derradeiro beijo seu.
E ao sentir também sua mão vedar
Meu olhar dos olhos seus,
Ouvir-lhe a voz a me embalar
Num acalanto de adeus:

Dorme, meu pai, sem cuidado,
Dorme que ao entardecer
Teu filho sonha acordado
Com o filho que ele quer ter.






Toquinho - Vinícius de Moraes

4 comentários:

Evelin disse...

Oie meu amor, como vc tá? que lindo, vc tá gravida, eu to super feliz por vc, vai me chamar pro chá de bebe né, eu to desempregada mas me viro..to feliz, muito msm por ti...parabéns

liz disse...

Estado de graça TOTAL, não??
Ilustrado com letra e música dessa dupla maravilhosa então, não tem jeito. Emoção total!
Eu não vou participar do chá mas certamente participarei à distância, fazendo meu presentinho de tricô.
Ah, e obrigada pelas visitas ao blog. Adoro teus comentários!
beijos
liz

Layla disse...

Faz eu chorar não.

Anônimo disse...

eu também estou aqui, na espera, por você... :)
beijos...sempre!